Muita gente nos pergunta sobre o nosso intercâmbio pra Malta. Nós sempre falamos sobre o que a pessoa não pode deixar de fazer e postamos aqui algumas dicas.

Nós conversamos muito e descobrimos que no começo tínhamos dúvidas parecidas, que podem ser as mesmas de vocês. Então, eu gostaria de falar um pouco sobre a minha experiência de intercâmbio.

Se você estiver pensando em fazer um intercâmbio em Malta, leia o post até o final para super dicas.

Como escolher o lugar de seu intercâmbio?

Quando decidi fazer intercâmbio, fiquei muito em dúvida sobre o lugar. Gostaria muito que fosse na Europa, pela comodidade de viajar mais e que não fosse em um lugar muito frio, tipo Londres. Eis que conheci uma pessoa me apresentou Malta. Eu já tinha ouvido falar da ilha quando fiz um cruzeiro e o navio era de Valetta (não fazia idéia de onde ficava aquilo) e um dos staffs era maltês. Perguntei sobre o lugar e só ouvi: “é o lugar mais lindo do mundo”. Óbvio que eu não acreditei.

Confesso que levei um tempo para decidir a respeito de Malta, muitas pessoas que não conheciam diziam que seria um lugar pequeno e por isso ficaria limitada. Fui para a agência decidida a ficar 2 meses na Austrália e na hora de assinar o contrato, eu mudei para Malta por três meses. E foi a melhor decisão da minha vida. Eu poderia estar falando exatamente a mesma coisa se tivesse ido pra Austrália. Mas Malta não seria um lugar que eu colocaria como prioridade na minha listinha. Até conhecer.

Primeiras Impressões

Quando cheguei estranhei muito, o motorista dirigia do lado contrário (lá é mão inglesa), a cidade era toda amarela (a pintura das casas varia de amarelo para bege) e tudo parecia ser muito calmo.

Minha primeira ‘casa’ foi uma residência estudantil em Swieqi, onde eu fiquei 1 mês. Swieqi é a cidade vizinha de St. Julians, no Brasil nós chamaríamos de bairro, como em Malta tudo é menor, eles chamam de cidade e o bairro é praticamente um quarteirão. Conheci pessoas maravilhosas lá, foi minha primeira experiência com tantas nacionalidades juntas.

Na minha primeira noite, as meninas da casa me chamaram para conhecer a noite de Paceville. Aí eu percebi que de calmo, Malta não tinha nada. É uma rua repleta de baladas, de todos os tipos, desde rap, eletro até latina. Decidi voltar pra casa sozinha, porque a noite de Paceville só termina quando amanhece. Segundo minhas amigas era só ir reto e virar na rua que tinha aquela casa amarela (ah vá). Me perdi horrores. Não tinha ninguem na rua, porque já eram 2 da manhã e eu não fazia ideia nem de como voltar pra Paceville.

No dia seguinte, fui conhecer um pouco da cidade. já que as minhas aulas só começariam na próxima semana. Levei um tombo bem bonito na praia e fiquei toda ralada. Na mesma hora, eu já quis minha mãe. Nesse dia, preferi voltar e ficar em casa.  As meninas viram que eu estava meio decepcionada com tudo e me chamaram para conhecer o Beach Club da escola. Conheci outras pessoas de outras nacionalidades e o dia foi um pouco melhor.

No dia seguinte era domingo e eu não queria ficar em casa. Fui conhecer Valetta, de ônibus é muito longe. Depois de umas semanas, você decobre que Valetta é do ladinho. Fiquei maravilhada com tudo. Me perdi só um pouquinho, mas conheci lugares lindos que eu não teria descoberto se tivesse encontrado o caminho correto desde o ínicio. Na volta, passei em Sliema e fiquei impressionada com aquela orla.

Naquele momento, só conseguia admirar aquele lugar. E eu já tava começando a gostar e sentir saudade de tudo.

Onde estudar?

Como Malta recebe intercambistas de diversos países, lá existem muitas escolas. Estudei na EC e por isso não posso falar muito sobre as outras. Gostei muito de lá, porque além dos professores serem excelentes, eles ainda promovem muitos passeios para quem quer fazer amizades e se distrair um pouco.

Visitei outras escolas enquanto estava lá, mais por curiosidade. A EF é bem forte lá, tem um super beach club e a escola tem uma ótima infra estrutura, mas parece que as pessoas ficam “presas” lá, tudo você faz lá dentro. Achei meio chato.

Conheci também a ClubClass em Swieqi e apesar de funcionar literalmente como um clube, com as residências, a piscina e tudo no mesmo lugar, achei tudo muito varzeado. Claro que isso depende muito do aluno, tenho amigos que estudaram na Clubclass e aprenderam muito. Outros, não aprenderam nada, porque os professores não cobravam.

Voltando pra EC. No primeiro dia, você faz uma prova para descobrir em que nível você está. Depois eles te encaminham pra sala. Eu escolhi fazer o modo intensivo com 3 aulas por dia. Minhas duas primeiras aulas eram inglês e a terceira eu podia escolher um tema que me agradasse. Mas era um fiasco essa terceira aula. Não gostava da aula, nem da classe e era um martírio ver todo mundo saindo para conhecer as praias e eu ficar na escola. Até que eu descobri que minha terceira aula, poderia ser “Inglês para Trabalho”, uma aula que eu aprendia a me apresentar em inglês, fazer entrevistas, escrever meu currículo, ler contratos de trabalho… Enfim, era excelente! Com certeza, o ponto alto das minhas aulas. Aprendia MUITO lá!

Depois de dois meses estudando inglês de manhã, percebi que não estava aprendendo muita coisa. Na Ec, são diversos níveis, mas você usa o mesmo livro em dois módulos. Por exemplo, High Intermediate e Upper Intermediate, o que vai mudar vai ser o professor e o foco que ele vai dar. Mais uma vez, preciso reconhecer a excelência dos professores da EC.

No meu terceiro e último mês, fiz 4 semanas do curso de Business. E aí o bicho pegou. Um amigo meu, saía da aula pra estudar quando ele fazia o Business e eu achava que era besteira.  Bom, nessas quatro semanas, eu perdi as contas de quantas noites eu fui virada pra aula, de tanta coisa que eu tinha que estudar. Era um curso de marketing com negócios em uma turma de empresários ou pessoas com um cargo bem alto em empresas bem importantes. Eu era a mais nova da turma, mas era tratada de igual pra igual. Isso foi muito bom pra mim. Aprendi muito e os professores eram melhores até que alguns da minha faculdade.

Se você estiver com um nível muito bom no inglês, vale a pena fazer o curso de Business, ele é mais caro, mas vale cada centavo!

Onde morar?

Durante os três meses que eu estudei em Malta, eu conheci todas as opções de moradia. haha

No primeiro mês, eu fiquei em residência estudantil e é uma experiência incrível se você quiser ter contato com outras nacionalidades e fazer novas amizades. Geralmente, existem as opções de quartos e banheiros compartilhados e individuais.

O meu quarto era compartilhado com banheiro privativo. Lá também tinha uma cozinha compartilhada e um armário individual pra você guardar suas coisas. Ninguém tem permissão para entrar no quarto de ninguém sem que seja convidado e muito menos levar convidados para passar a noite. Eles têm regras bem severas e fazem vista grossa.

Depois deste tempo, comecei a procurar um apartamento e encontrei o apartamento ideal a uma quadra de Paceville e duas da EC. Era no coração de St. Julians, mas ele só ficaria livre 10 dias depois do término do meu contrato com a Residência Estudantil.

Decidi ir para um hotel na frente da minha escola e foi a pior experiência da minha vida. O Hotel era péssimo, na época eu não entendia muito bem a diferença entre Single Bed e Single Bedroom. Conclusão, eu tinha uma cama de solteiro em um quarto compartilhado. A cama era horrível e o hotel tinha cheiro  de velho.

Não consegui ficar no hotel. Conversei com o dono e eles disseram que não podiam fazer nada. Eu já havia pago o valor total pelo Booking.com e eles não devolveríam o dinheiro. Entrei em contato com o Booking e eles resolveram tudo pra mim, devolveram meu dinheiro e eu consegui sair de lá.

Fiquei dois dias com uma amiga minha até ir para uma casa de família, onde fiquei uma semana. E casa de família é outra pegada da residência estudantil. Você tem café da manhã e jantar. Servidos pontualmente de segunda a segunda. Minha host mother era incrível, mas tínhamos que seguir as regras como em qualquer outra casa de família. Nos primeiros dias, era um pouco estranho, mas é muito bom poder conversar com nativos. Aprendi muito sobre Malta e até algumas palavrinhas em Maltês. A única parte chata era ter que dividir quarto com a Giovanna, haha.

E aí eu fui pro apartamento. Eu dividia com outra brasileira, tinham dois quartos, um banheiro, uma cozinha, uma sala e uma varanda enorme. O apartamento em si era pequeno, mas super aconchegante. Extendi mais um mês em Malta que foi quando minha irmã foi fazer o intercâmbio e ficamos no apartamento mesmo.

A dica é avalie qual é o melhor custo-benefício e a pegada que você está. Ter um apartamento em alguns casos pode até ser mais barato e te oferecer mais liberdade, mas saiba que você terá que fazer sua própria refeição (a menos que você saia para comer todos os dias) e mais responsabilidade com contas e tal. Em residencias estudantis e até casas de familia, você conviverá com outras pessoas da sua idade e sua rede de amizades pode ser bem maior.

Melhores amigos

Fazer intercâmbio é a oportunidade que você tem de conhecer pessoas incríveis e passar por experiências mais incríveis ainda. Isso porque a pessoa que você conheceu ontem, na verdade parece que você está com ela há um mês. E a pessoa que você convive há um mês, parece que é a vida toda. Muito louco isso.

Mas sim, eu falo que eu conheci as melhores pessoas desse mundo. Meus amigos brasileiros que talvez eu não encontraria aqui no Brasil, meus amigos japoneses, coreanos, russos, italianos, suiços, alemães, franceses e, minha amiga belga do coração. Ah e claro, a Gi.


O que você precisa saber sobre Malta

Idioma

Lá o Idioma oficial é o Maltês, o Inglês é a segunda lingua e por isso tudo tem a tradução para as duas línguas ou só o inglês. Todos os malteses falam inglês e por isso, você não passará apuros. Entre eles, no entanto, eles usam o maltês. Não se assuste se você ouvir italiano pelas ruas ou na tv, devido a proximidade com o país.

Moeda e Vistos

Malta faz paz parte da União Européia, por isso utiliza o Euro como moeda. Não é necessário visto para permanências de até 90 dias (atenção: são 90 dias e não 3 meses).

Clima

Dizem que o clima é parecido com o do Brasil, mas não é. Talvez o que possa se assemelhar é que não existe um inverno tão rigoroso como no restante da Europa.

No verão, o clima é quente (bem quente) e seco. No inverno, chove bastante e as temperaturas variam de 9 a 19 graus. Além disso, venta muito em Malta, então a sensação térmica é sempre mais baixa no inverno.

Melhor época

Para mim, a melhor época é de Setembro a Novembro. No verão, tudo é muito cheio. Já no inverno, muitos passeios de barcos não são possíveis. Durantes esses meses que eu falei, a temperatura ainda é agradável (quente durante o dia e fresco a noite) e não chove.

Como chegar?

Não é de todo lugar que partem vôos diretos para Malta, o mais comum é fazer conexão em Roma, Frankfurt ou qualquer outra cidade grande e aí pegar um vôo para Malta, que pode ser em um avião menor da mesma cia área ou pela AirMalta. Essas companhias low cost da Europa, como Ryanair, Easy Jet ou Vueling Airlines não operam o ano todo, apenas de março a outubro.

Como se locomover?

Se você não tem problemas com a mão inglesa e estiver com um grupo de pelo menos 4 pessoas, o ideal é carro. Taxi é bem caro por lá e não compensa.

Durante todos os meses, eu andei de ônibus. Lá, você compra a passagem que dura o dia todo por €1,50. Pode andar o dia todo usando o mesmo ticket. Além disso, existem outros preços caso você opte pelo bilhete semanal ou mensal para estudantes. O único ponto fraco é que os ônibus demoram um pouco e às vezes, vêm lotados. Além disso, eles dão a maior volta. Mas ainda assim se você não está com o tempo cronometrado, vale a pena.

Você ainda consegue ir a pé para muitos lugares, porque é tudo muito pertinho.

O que comer?

A comida de lá não é muito diferente da daqui. Devido a sua proximidade com a Itália, é possível encontrar pizzas e massas por toda a ilha, além da influência siciliana como a carne de coelho e cavalo. Mas se engana quem acha que Malta não tem sua comida típica, pratos com frutos do mar, aperitivos e até mesmo pequenos snacks fazem parte do seu cardápio.

Os restaurantes não costumam ser caros e, geralmente, oferecem combinações como salada + prato principal + sobremesa ou bebida por um valor x. Claro que como em todo lugar da Europa, pratos com carne bovina costumam ser mais caros. Além disso, como opção para os viciados em fast foods, têm Mc Donald’s, Burger King, Subway e até hambuguer por 1 euro em Paceville.

Se sua opção for cozinhar em casa, os mercados de lá têm de tudo a preços bem acessíveis (se comparado com a qualidade x preço do que temos aqui no Brasil). Não é um dos lugares mais baratos da Europa para comprar, mas nada absurdo (eu achava barato até morar em Barcelona). Só uma ressalva para frutas que lá é muito caro (por isso que eu não conseguia fazer dieta).

O que fazer?

Como eu já falei neste post aqui, Malta tem diversas atrações, como praias maravilhosas, museus, igrejas, cinema, boliche, shoppings, baladas e ainda a possibilidade de viajar pela Europa a um preço bom.

 

É isso,

Se você tiver mais dúvidas, comente aqui ou mande um email para goprorole@gmail.com. Nós amamos responder! ❤

Beijos,