Se engana quem pensa que Cabo Frio não é tão bonito quanto Arraial do Cabo e Búzios, eu mesma me surpreendi muito com as praias de lá.

Cabo Frio está a aproximadamente 30 minutos de Arraial do Cabo e a 45 minutos de Búzios, por isso, dá muito bem para conhecer estes lugares quando for a Cabo Frio. Além disso, a cidade conta com um centrinho com lojas e restaurantes e a calmaria de uma cidade praiana, diferente da badalada vizinha Búzios.

Além disso, na minha opinião foi o melhor lugar para ficarmos. Quer saber o porquê? Então leia o post até o final.

O que fazer em Cabo Frio?

Se você estiver incluindo Cabo Frio em uma viagem entre Arraial e Búzios, reserve um dia para conhecer as seguintes atrações, na minha opinião, as mais bonitas:

Ilha do Japonês

DCIM100GOPROGOPR3236.
A Ilha do Japonês é um lugar que se tornou bastante conhecido pelo Instagram. A cor da água é transparente com alguns pontos que transitam entre os tons de azul.

A dica para chegar à Ilha do Japonês é: chegue cedo! Se você estiver de carro, pode enfrentar um fila enoooorme. Tem um estacionamento bem próximo que costuma ficar lotado e custa R$ 10 (e dá direito a estacionar na Praia das Conchas e do Peró também sem pagar mais nada). Se você não der sorte e chegar um pouco mais tarde, aconselho deixar o carro e ir a pé. Não é muito longe, cerca de 1km por uma estrada de terra batida.

Para a travessia até a ilha, existem duas opções: barco (geralmente o pessoal cobra de 3 a 7 reais para fazer a travessia) ou atravessar com a água na altura dos joelhos (Preste atenção à maré, próximo ao meio dia, ela costuma subir um pouco). Dá para caminhar tranquilamente e levar o que você quiser, só cuidado com os buracos formados pelo grande número de pessoas que passam por lá.

Em temporadas, a ilha do Japonês fica bem congestionada, o que pra gente foi um impecilho, pois não conseguimos ficar muito tempo.

Da Ilha do Japonês também dá pra ver a Praia Brava, uma praia super indicada para surf pelas suas ondas perfeitas e também para a prática do nudismo.

Praia das Conchas

Repetimos a praia das conchas duas vezes, porque vale muito a pena. A água é aquele azul turquesa maravilhoso. É uma praia bem tranquila, quase sem ondas.

Para chegar até a Praia das Conchas é só colocar no Waze ou seguir as placas (tem tudo indicadinho). Se você tiver o ticket da Ilha do Japonês, pode usar. Se não, paga-se R$ 10 para estacionar bem próximo à praia.

Para entender a referência que dá nome à praia, recomendo fazer qualquer uma das três trilhas próximas à praia (ou as três, que são imperdíveis, cada uma com a sua beleza).

A primeira trilha e na minha opinião uma das mais bonitas fica entre a Praia das Conchas e a do Peró, na verdade é a trilha que divide as praias e por isso de lá você consegue observar as duas, além de outras praias pequenas formadas no entorno pelas rochas.  É bem leve e dá pra fazer de chinelo (só evite chapéu, pois venta muito). O visual é surpreendente e, na minha opinião, imperdível.

Uma das praias formadas pelo entorno

A segunda trilha fica no canto direito e permite a visão da Praia das Conchas e de outros paredões rochosos, inclusive um local que o pessoal costumava saltar no mar (não recomendo, pois é bem perigoso. O mar é agitado e bate forte nas rochas). Para ter acesso à parte alta, a trilha começa próxima ao estacionamento, também é bem leve e dá pra fazer de chinelo.


Já na parte baixa, ela começa no canto direito da praia mesmo.


Mas se você quiser ter uma visão privilegiada da concha, não sei se podemos considerar uma terceira trilha, é só subir as dunas de areia que ficam de frente para a praia. Não precisa de muito esforço e o visual vale muito a pena.

DCIM100GOPROGOPR5283.
Tem quiosques com aperitivo e serviço de praia com guarda-sol e cadeiras.

Pôr do sol visto da segunda trilha

 Praia do Peró

Caminhando por toda a praia das Conchas, a sua esquerda tem a Praia do Peró. Se preferir dá pra pegar o carro e estacionar próximo à praia (depois de pegar o ticket na entrada, existem dois caminhos. Um que leva à praia das Conchas e outro à Praia do Peró). Nós estacionamos na Praia das Conchas e fomos caminhando mesmo.


Essa praia é conhecida como a praia de poluição zero com áreas super preservadas e muitas partes desertas quase virgens. Ela é extensa, em sua orla encontramos casas de veraneio e quiosques. O mar é mais agitado que o da Praia das Conchas com ondas que atraem surfistas da região.

Rua dos Biquinis

Se você que estiver lendo for mulher ou tiver uma namorada apaixonada por biquinis como eu, vale a pena conhecer a Rua dos Biquinis. Na verdade, é um calçadão com diversas lojas de todos os tipos de gostos e preços. Lá é possível encontrar biquinis de R$ 10 a 300 reais, vale pesquisar.

Além disso, tem bastante lojas de artesanatos e um centrinho com coisas gostosas pra comer.

Como chegar?

Não tem muito erro andar em Cabo Frio, tudo é muito bem sinalizado. Para a Ilha do Japonês, que fica em Ogiva, basta seguir pela Rua dos Espadartes. Provavelmente, no caminho você passará por placas indicando a Praia das Conchas e do Peró.  A Rua dos Biquinis fica bem próximo à Ponte Feliciano Sodré e ao canal do porto de Cabo Frio.

Quantos dias ficar?

Para conhecer a Ilha do Japonês e as Praias do Peró e da Concha, um dia é suficiente. Se quiser dividir e incluir a praia do Forte e um passeio histório pelo forte de São Mateus, inclua mais um dia ou então conheça a Ilha do Papagaio, acessível através de barco e considerada um ótimo lugar para mergulho (a ilha não tem uma faixa de areia, portanto só é recomendada para mergulho mesmo.)

Dá pra emendar com:

Búzios e Arraial do Cabo.

Onde se hospedar?

Hotel Porto Veleiro

Na minha opinião, super bem localizado. Fica bem próximo da estrada que dá acesso à Ilha do Japonês, e por isso evitamos a fila enorme que eu falei no começo. O hotel ainda fica bem próximo a praia das Conchas e do Peró.

O hotel é ótimo, os quartos são limpos e bem arejados. Oferece opção de até quatro camas no quarto. Tem ar condicionado e uma ducha excelente. E você ainda escolhe a vista: para a piscina/canal ou para a Ilha do Japonês.

O café da manhã é muito bom também, com variedade de pães, bolos e sucos. Tudo feito na hora. Além disso, o restaurante no deck oferece almoço e jantar (pagos a parte) com opções de aperitivos, refeições e hamburgueres (maraaaavilhosos). O cardápio não tem muuuuita variedade, mas atende às necessidades.

O atendimento também é ótimo tanto dos garçons quanto dos atendentes. Um dia precisávamos que o café da manhã fosse servido uma 1h mais cedo e eles arrumaram tudo com a mesma variedade e a mesma qualidade. Além disso, são super solicitos quando pergutamos sobre os passeios.

 

Hostel Container

Achei o conceito deste hostel super diferente. Todos os quartos são dentro de containers. Mas se engana quem pensa que a sensação é de clausura. Os quartos contam com ar-condicionados, janelas e banheiro privativo. Você ainda pode escolher se quer um quarto privativo (duplo, triplo, quádruplo) e coletivo (de 6 a 8 pessoas).

Onde comer?

Gostamos tanto do restaurante do hotel que comemos todos os dias por lá (acho que por isso que achei que faltou um pouco de variedade haha). O restaurante é aberto aos visitantes e funciona até às 22h.

Não deixem de pedir a porção de peixe gurjão e o hambúrguer! Se você chegar cedo ainda consegue pegar o lindo pôr do sol no canal, bebendo alguns drinks.

 

É isso, espero que tenham gostado!

 

Beijos,